Álbum da Copa do Mundo 2018

Ontem assim que cheguei em casa com alguns pacotes de figurinhas do álbum da Copa do Mundo para a Isabella, por coincidência, recebi este texto de uma amiga, a Flávia de Lucca, que achei perfeito pois quando a minha mãe deu o álbum eu e meu marido concordamos na opinião de que seria uma boa oportunidade dela aprender brincando a lidar com a paciência e frustrações de tirar as figurinhas surpresas do pacote e aprender o valor da troca delas e interação com outras crianças além do valor que as moedas do seu cofrinho que foram conquistadas tem.

Segue o texto:

”Amigos papais/mamães. Eu tô longe de ser um desses pais palestrantes que brotam todos os dias por aqui. Mas quero trocar uma idéia com vocês sobre o ÁLBUM DA COPA. Parece banal, mas representa como estamos criando nossos filhos.
Então, tô vendo muito pai e mãe assumindo a responsa de comprar, organizar, trocar e completar o álbum da garotada. Bicho, vejo isso com uma tristeza imensa. O Davi, meu filho de 7 anos, tá colecionando aqui. O álbum dele tá todo cagado (rasgado, dobrado, figurinha colada torta), faltam umas 50 a 100 figurinhas para completar, ele não tem mais dinheiro no cofrinho e ele já se embananou todo nas primeiras trocas (trocou por figurinhas que já tinha, por exemplo), embora eu tenha passado todas as dicas de como executar essas atividades.

– “Poxa, Felipe… mas vc está deixando seu próprio filho na mão… ele vai ficar triste, decepcionado se não completar o álbum…”

Claro que vou… É no micro que a gente se prepara para o macro. A vida tá cheia de decepções, de erros que cometemos, de insucessos… Numa pequena atividade como essa, vocês estão tirando de seus próprios filhos a chance de entenderem que, para ter êxito em algo, há uma série de etapas que precisam ser cumpridas, pensadas, planejadas, perseveradas.
Ao colecionar as figurinhas, seus filhos podem aprender de maneira lúdica a importância da organização, do zêlo, da economia, de como lidarem com um mercado específico, de como interagirem com outras pessoas, etc.
E o pior… Ao entregar um álbum completo e impecável que VOCÊS montaram, os senhores estão banalizando a conquista, a vitória, o êxito que deveria ser dos seus filhos.
Parem pra pensar um pouco sobre isso. Estamos criando uma geração que não consegue enxergar o valor das coisas justamente porque nós as entregamos de mão beijada para eles desde o nascimento. Inclusive, não enxergam o valor do seu esforço como pai e mãe para satisfazê-los. Sei que não é por mal… Mas tá fazendo mal…
É isso!

EDIT: Caraca… não sabia que esse texto repercutiria tanto. Até entrei em alguns dos compartilhamentos pra ver essa ideia sendo discutida. Muita gente entendeu o meu ponto de vista, e algumas pessoas não entenderam o contexto. Apenas para o registro: SIM, estamos ajudando o Davi com o álbum, como uma família, como melhores amigos, vibrando juntos, etc. Mas o hobby e a responsabilidade são dele, assim como a conquista. Qdo ele completar, independente do estado do álbum, aposto que ele ficará extremamente feliz. Aí vamos bater um papo pra ver o que ele aprendeu e o que poderia ser melhor para a próxima atividade. ;-)”

Autor: Desconhecido pelo Afeto de Mãe mas aguardamos contato para dar o crédito.

Texto recebido por WhatsApp.

Foto: Acervo pessoal de Carla Biscaldi

Comentários

Leave a comment