Dia Mundial da Prematuridade – conto para vocês como foi a minha experiência

Me deu um frio na barriga no primeiro dia que fui visitar eles na UTI e ouvi ao chegar na sala: “Mãe, você não pode entrar, seu gemelar 1 teve uma apnéia.” (Apnéia é quando o bebê esquece de respirar), meu mundo caiu.

Outro fato que ao ouvir “Mãe, você deve se preparar caso um dos gêmeos saia antes do outro.”, pensei, como vou cuidar de um bebê de UTI e outro recém nascido em casa?

Ser mãe de prematuro é viver dias ou meses dentro de um hospital quase 24 horas por dia, com a tensão, ansiedade e medos convivendo com você durante todo o tempo.

Um dia, parece um ano…o tempo não passa….cada conquista como 30 gramas a mais no peso é motivo de muita alegria.

Como mãe de UTI passamos a valorizar qualquer evolução, não pedimos muito, pedimos reação dos nossos prematuros!

O mundo lá fora pausa, a sua vida é ali com eles e para eles.

Aquelas incubadoras, aqueles aparelhos que apitam e você já começa a dominar tudo, saturação, apneia e por aí vai.

Preparamos o enxoval, o quarto do bebê esperando que logo após o parto, questão de dias eles estariam lá para conhecer seu novo lar preparado com tanto carinho, sem ao menos imaginar que o tempo normal de gestação não seguiria o padrão das 40 semanas.

Não pedimos somente pelos nossos filhos que lá estão, pedimos por todos.

É inevitável não se entristecer pelas outros bebês e famílias que lá estão na UTI, meu marido me disse na minha primeira ida a UTI “não olhe para as outras crianças, de foco a eles”, afim de não me impressionar, mas o tempo que passamos lá, dias ou meses, é inevitável não conviver todos os dias com essas pessoas, desconhecidas até então, mas com um destino que nos fez ali se encontrarmos por uma razão óbvia, darmos forças umas a outras, proporcionando uma forte corrente de oração, afinal estamos todas no mesmo barco e aquele é o momento de unir forças.

O olhar e expressão de um mãe que acaba de visitar o seu filho é entendido e compreendido sem ao menos ter que se expressar.

A minha mensagem de hoje é para vocês mamães que estão com seus filhos na UTI, espero que aquiete o seu coração levando força e calma para aguardar o grande dia, o da alta!

Os prematuros precisam do tempo deles, pensem nisso naquele momento de angústia.

Na duas fotos, Gustavo e Gabriel que nasceram de 34 semanas, a minha bolsa rompeu na madrugada do dia 05/04/2013.

Nesta foto já estavam sem sonda da alimentação que utilizaram ao longo de muitos dias.

Ficaram 19 dias na UTI e hoje são crianças fortes!🙌🏻

Por: Bianca Trindade Bresciani

Comentários

Comentários