Imaginação infantil – dicas para explorar isso!

Hoje fiz um post no Instragram de uma foto que registrei do Gustavo que me fez pensar, o que ele estaria pensando naquele momento brincando com as próprias mãos em um momento tão sereno e lindo de se ver.

Ele sempre apresentou esse dom, às vezes com pequenas coisas no dia a dia, cria suas próprias histórias e solta a imaginação ali no seu “mundo”, interpretando ela de forma tão real, então hoje resolvi abordar esse tema aqui no blog que andei pesquisando e resolvi dividir com vocês sobre o quanto é importante a imaginação infantil e dicas de como explorar isso com seu filho.

Durante os três primeiros anos, o cérebro do seu filho passa pela fase de desenvolvimento e amadurecimento que serão determinantes para a sua formação. Por isso, tudo que os pais fazem com os pequenos nesta fase estimula o cérebro deles. Mas engana-se quem pensa que é fácil descobrir o que o seu filho pensa até que ele consiga se comunicar melhor. A dica é observar a forma como ele imita as coisas ao seu redor.

A mente humana é como uma máquina que produz pensamentos, sendo que uma dessas ações denomina-se “imaginação”. A importância da imaginação, na fase infantil, está ligada à criatividade que a criança possa desenvolver durante todas as outras fases da vida. As crianças são criativas e elas inventam universos onde se transformam no que querem ser. Fazem isso com objetos também.

Através da imaginação, a criança também pode fantasiar que tem um amigo imaginário, que é um personagem com o qual a criança brinca e até briga. Isso é normal e faz parte do desenvolvimento. Os pais, às vezes, não entendem que isso é normal e se preocupam, mas eles devem prestar atenção na criança que não tem amigos reais e só imaginários, pois isso já é um problema de relação interpessoal que pode fazer mal à criança.

A cada fase da vida, a imaginação evolui e os pais precisam acompanhar e incentivar as crianças. Até os três anos, elas estão na fase da experimentação, portanto os objetos ganham vida e a criança acredita realmente nisso. Dos três aos cinco anos, os pais até já são convidados a participar das brincadeiras e as histórias ganham mais sentido. Dos seis aos oito anos, as histórias são lógicas e possuem uma finalidade; trazem temas como raiva, medo, amor e guerra e é também a fase que a criança acredita no herói. Depois dos oito anos, já unem a imaginação com aventuras reais e os amigos imaginários já não existem mais.

Normalmente a imaginação sempre contribui para o desenvolvimento da criança. Entretanto, ela pode ser perigosa quando a criança já não percebe que certas brincadeiras envolvem situações perigosas ou quando, na escola, ela se dispersa e não tem atenção na aula. Nessa situação, a criança precisa de compreensão e diálogo.

Hoje em dia, as crianças estão tendo dificuldades na elaboração de textos por não usarem a imaginação. Crianças com pouca imaginação são pouco criativas. É preciso, pois, muita brincadeira e jogos de regras para estimular a imaginação, pois ela, se saudável, contribui para formação intelectual e criativa da criança, além de diminuir a frustação e ajudar no desenvolvimento da linguagem.

Dicas para ajudar o seu filho a soltar a imaginação:

Música – insira a música no universo do seu pequeno. Ouça diversos estilos musicais com ele, estimule-o a cantar, dançar e a tocar instrumentos de brinquedo;

Histórias – a arte de contar e inventar histórias faz muito bem às crianças. Conte histórias que você mesma inventou e coloque o seu filho como personagem dela. O tradicional ‘faz-de-conta’ também proporciona muita coisa boa aos pequenos, pois desenvolve habilidades sociais e verbais, além de dar a chance de fazê-lo experimentar diferentes sensações e emoções;

Livros – a leitura de livros é uma incrível maneira de desenvolver a criatividade dos pequenos. Escolha livros coloridos e com desenhos. Aproveite também para conversar com ele sobre a narrativa e os personagens das histórias que leem juntos;

Material – nesta fase, quase tudo se torna instrumento para brincadeiras criativas. Dê prioridade para as coisas simples, pois o principal dessas atividades acontece dentro da cabeça das crianças. Não são necessários objetos e roupas complexos. Normalmente, caixas de papelão, toalhas e brinquedos viram instrumentos nas mãos das crianças;

Fonte de pesquisa: http://www.minutopsicologia.com.br/postagens/2016/05/20/a-imaginacao-infantil-e-a-sua-importancia/

Comentários

Leave a comment