Quando o NÃO tem que ser NÃO e ainda assim é prova de amor

Ter que dizer não aos nossos filhos muitas vezes dói em nós mas é algo necessário e uma grande  prova de amor.

Sábado do Carnaval 2018, tudo pronto e esquematizado para muita diversão no Carnaval do Parque da Mônica com a Isabella, Gustavo e Gabriel. A fantasia escolhida estava pronta somente esperando para vestir, lanchinhos para o caminho prontinhos logo cedo e eu e a Bianca combinamos de ir no mesmo carro já para o esquenta durante o caminho. Que farra!

É, a farra teria sido muito boa se por causa de um brinquedo que não pude ajudar a Isabella abrir porque eu estava no banho, ela não tivesse desencadeado uma sequência interminável de malcriações. Pois é, as crianças acham que temos que estar à disposição em tempo integral. E o que acontece? Sempre estamos.

Nosso coração, cabeça, prazer e dever materno nos exige e nos permite isso. Porém, temos necessidades básicas tipo a higiene….hahahaha. E isso deve ser respeitado.

Do banho ainda, expliquei que tinha que esperar que eu saísse e logo iríamos brincar até a hora de irmos ao Carnaval. Nem me ouviu!

Com toda paciência do mundo, sentei com ela e perguntei porque não podia esperar um pouco se eu havia dito que brincaríamos até a hora de sair. Nem ela soube explicar e intensificou as malcriações alterando o tom de voz comigo. A gota d’água, o que fez com que eu tivesse que tomar uma decisão desagradável foi ela ter dito que tenho que fazer tudo o que ela quer, na hora que ela quer e em seguida me beliscou. Eu não faço isso com ela. De onde aprendem certas coisas? 😱

Pezinho da Isabella com 2 meses e Mamãe segurando com muito amor

Não doeu no local. A dor foi no meu coração e o peso foi no pensamento súbito de que eu estou totalmente fora do controle. Eu não quero nem dizer em termos de poder ou hierarquia e sim o poder de não conseguir fazer com que a minha filha entenda como ter que agir quando se quer algo ou quando se discorda de uma situação.

Aí que veio o NÃO. Disse que ligaria para a Tia Bianca e que NÃO iríamos mais nos divertir com eles e que ela ficaria em casa mas também NÃO poderia brincar com o primo que estava por chegar. NÃO teria televisão. NÃO teria o celular. NÃO teria o tablet.

O susto dela foi tão grande com tantos NÃO, NÃO e NÃO que parou de chorar e fazer malcriação imediatamente. Senti que foi muito mais dolorido do que qualquer outro ato.

Pediu uma chance. Eu NÃO dei. Disse que eu estava muito triste naquele momento.

Ficou em casa a tarde toda. O bom de ser criança é que brincadeira nunca falta para eles e a criatividade está sempre à mil então passou o dia inventando várias coisas para fazer.

Fiquei com o coração partido por privá-la de um passeio tão bacana, mas fez-se necessário. No fim do dia, para lacrar a punição, sim sou uma bruxa, mostrei todos os stories do Parque que a Bianca tinha postado.

A carinha dela de decepção era nítida. Chorei sim de tristeza e de “pena” mas choro hoje por esses motivos para NÃO chorar amanhã por consequências muito piores.

Sermos duras em algumas situações não fazem de nós “más mães” mesmo que aparentemente traga sofrimento momentâneo aos nossos filhos. Temos que pensar que o que ensinarmos para eles agora na infância se refletirá para a vida toda. Por isso, mesmo com o coração partido, não me arrependo de todos os NÃO deste dia.

Se já passou ou passa por isso, deixe nos comentários como é por aí. É sempre muito importante saber de pessoas que vivenciam o mesmo que nós!

Grande beijo.

Carla – 15/02/2018

Imagem: Acervo Pessoal

Comentários

Leave a comment