Imaginação infantil – dicas para explorar isso!
Imaginação infantil – dicas para explorar isso!

Hoje fiz um post no Instragram de uma foto que registrei do Gustavo que me fez pensar, o que ele estaria pensando naquele momento brincando com as próprias mãos em um momento tão sereno e lindo de se ver.

Ele sempre apresentou esse dom, às vezes com pequenas coisas no dia a dia, cria suas próprias histórias e solta a imaginação ali no seu “mundo”, interpretando ela de forma tão real, então hoje resolvi abordar esse tema aqui no blog que andei pesquisando e resolvi dividir com vocês sobre o quanto é importante a imaginação infantil e dicas de como explorar isso com seu filho.

Brinquedos pedagógicos ou educativos? Qual a diferença entre eles e qual devo comprar?
Brinquedos pedagógicos ou educativos? Qual a diferença entre eles e qual devo comprar?

Saber a diferença entre um brinquedo pedagógico e um educativo é essencial para acertar o brinquedo adequado para cada fase da criança ou do bebê e essa é uma dúvida muito comum e que eu também tive por muito tempo mas quando se é mãe acabamos pesquisando para acertar nas escolhas para os nossos filhos.

Mãe de menino – reflexão sobre a repercussão da Copa do Mundo
Mãe de menino – reflexão sobre a repercussão da Copa do Mundo

Depois do vídeo machista de grande repercussão com russas durante a Copa do Mundo, por conta de uma brincadeira de péssimo gosto de homens que fizeram a russa se “rebaixar” ao nível intelectual deles e fazer pronuncias sobre suas partes genitais, não pude deixar como mãe de dois meninos fazer uma reflexão sobre esse fato.

Febre nem sempre é motivo para esquentar a cabeça!
Febre nem sempre é motivo para esquentar a cabeça!

Objeto de dúvidas, mitos e medos, a febre deve ser encarada de forma racional. Em muitas casos, é apenas o chamado “estado febril”, em outros é um importante sinal de alguma doença – mas, em ambos os casos, há medidas que podem ser tomadas para ajudar a criança a se sentir melhor. Com base em informações livro publicado pela editora Martins Fontes, “Cuidem bem de mim: as doenças explicadas aos pais” (2013), damos algumas dicas que vão te acalmar e mostrar que a febre, nem sempre, é motivo de dor de cabeça.